quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Nota de Falecimento - Padre Agostinho Pretto


A Pastoral da Juventude do Meio Popular - PJMP, vem mostrar toda a nossa consternação com essa perda, perda inestimável para toda a sociedade. Padre Agostinho não era um simples padre, era um grande pai, um exemplo, um expoente. É muito difícil ver a história da Baixada Fluminense sem esse homem que dedicou muitos anos ao povo sofrido da Baixada.

Quando Assessor Nacional da JOC sempre foi muito atuante, após sendo fundador da Pastoral Operaria - PO, nunca deixou de lado as lutas ao lado do Povo, como sabemos sempre apoiou a PJMP pois via nela o grande entusiasmos e força que a JOC tinha na década de 1960.

De onde estiver neste momento, temos certeza que ele estará junto conosco nessa caminhada.

Obrigado Padre Agostinho, obrigado por nos ter dado a prazer de lhe conhecer, conviver e trabalharmos para o Reino de Deus aqui mesmo na terra.

Guilherme Monteiro

Coordenação Nacional da Pastoral da Juventude do Meio Popular - CNPJMP

-------------------------------------------------------------------------------------------------------

É com grande pesar e tristeza que informamos que nos deixou no final da tarde de hoje, o amigo e companheiro Padre Agostinho Pretto, aos 87 anos.

Agostinho Pretto nasceu em 28 de março de 1924, na cidade de Encantado, no Rio Grande do Sul. Foi ordenado padre em 30 de novembro de 1953. Padre Agostinho foi uma das principais lideranças da Juventude Operária Católica, sendo, na década de 1960, Assessor Nacional e depois Latinoamericano da JOC. Em 1970, foi preso pela ditadura militar, juntamente com outros militantes da JOC. Estas prisões levaram a Igreja Católica, em todo o Brasil para uma linha de crítica e de oposição à ditadura.

Em 1974, Padre Agostinho Pretto vem para Nova Iguaçu, trabalhar com Dom Adriano Hipólito, de quem se tornou grande amigo e colaborador. Agostinho fundou a Pastoral Operária e exerceu durante muitos anos a coordenação nacional do movimento.

Foi fundador também da Associação Nacional de Presbíteros, sendo o primeiro presidente da instituição. Durante mais de 20 anos foi o pároco da Catedral de Santo Antonio.

Atualmente, Padre Agostinho era pároco da Paróquia São José Operário, no bairro Califórnia.

Lutador, visionário, solidário, humanista, libertador, incansável, corajoso, sonhador. Padre Agostinho Pretto esteve presente nas grandes conquistas do povo trabalhador da Baixada Fluminense, do Brasil e da América Latina. Estará sempre presente nos sonhos e na perseverança daqueles que lutam por mundo diferente, possível e necessário.

O corpo será velado na Igreja São José Operário - Rua Mucuripe, 325 - Califórnia - N.Iguaçu

15 horas - Haverá Missa de Corpo Presente.
17 horas - Sepultamento no cemitério Jardim da Saudade, em Mesquita.

Fonte: Blog do Ferrerinha


Cristãos e Muçulmanos homenegearão a Virgem Maria em Foz do Iguaçu


No último dia 21 de setembro, em Brasília, aConferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) aprovou a proposta da Pastoral da Criançade envolver Muçulmanos e Cristãos em celebração para homenagear Maria. O evento será dia 24 de março de 2012, em Foz do Iguaçu, local da tríplice fronteira e com ampla comunidade muçulmana.

A informação é do Boletim da CNBB, 28-09-2011.

Além do louvor à Maria, o encontro será uma oportunidade para os líderes da Pastoral da Criançae famílias acompanhadas conhecerem temas inspiradores dos exemplos de Maria, como a visita às gestantes (Maria visita sua prima Izabel) e o cuidado com a gravidez desde a concepção. O evento também visa colaborar para a Paz entre os povos e fiéis das duas maiores religiões mundiais e servir de referência para a Pastoral da Criança Internacional atuar em países de maioria muçulmana, especialmente na África e Ásia.

A organização do evento pretende contar com o apoio local das duas religiões, a participação da Pastoral da Criança, do secretário geral do movimento Religions for Peace, Wiliam F. Vendley, e Mohammad Sammak, secretário geral do Comitê para o Diálogo Cristão Muçulmano. “Estou pronto para ir onde a abençoada Maria quer que eu vá... para o Brasil e além... gosto de ver que comunidades cristãs e muçulmanas compartilham o amor de Maria e aqui ganham bênçãos”, ressaltou Mohammad Sammakem resposta ao convite feito pela Pastoral da Criança para auxiliar na organização.

Juntamente com a homenagem acontecerá o encontro da coordenação Nacional da Pastoral da Criança com os coordenadores diocesanos e estaduais das regiões Sul e Centro-Oeste e a reunião do conselho executivo Mundial do Dia de Oração e Ação pela Criança, com representantes do Japão, Índia, Europa, Estados Unidos, Oriente Médio e Brasil.

Já estão confirmadas as presenças do cardeal domGeraldo Agnelo, vários bispos do Paraná, o vice-governador do Paraná e membros do Conselho Executivo Mundial do Dia de oração e Ação pela Criança.

Antecedentes no Islamismo

O Alcorão menciona a Virgem Maria em 34 locais em 12 capítulos. No Líbano, essa celebração acontece desde 2010, com feriado oficial.

domingo, 2 de outubro de 2011

Reunião da Coordenação Nacional da Pastoral da Juventude do Meio Popular - CNPJMP


A Diocese de Nova Iguaçu-RJ foi escolhida para sediar a reunião ampliada da Coordenação Nacional da PJMP (CNPJMP), Coordenação Nacional de Assessores (CNA-PJMP), Equipe Nacional de Serviço (ENS-PJMP), esta importante reunião onde reunirá jovens de todo o Brasil.

A Coordenação Nacional da PJMP estará reunida durante os dias 14 a 16 de outubro para discutir seu plano estratégico de ação para o ano de 2012; Direcionamentos da nossa terceira etapa da Escola Nacional de Formação Jose Adelar Nunes, Assembléia Nacional da PJMP e encaminhamentos para o nosso 4º Congresso Nacional da PJMP.

Esta reunião por ser um espaço novo de articulação da Pastoral da Juventude do Meio Popular, no Regional Leste I e especialmente na Diocese de Nova Iguaçu, onde os laços estão se fortalecendo a cada dia e as perspectivas crescimento na Fé dos Jovens do Meio Popular são bastante animadoras.

Data: 14, 15 e 16 de outubro de 2011

Local: Centro de Formação de Líderes - CENFOR

Diocese de Nova Iguaçu - RJ


Pré-DNJ na Rocinha - Arquidiocese do Rio de Janeiro



É com muita alegria que a Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem através do Grupo Jovem Boa Semente e da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP) do Regional Leste I, impulsionados pela força do Cristo Jovem vem buscando a cada dia motivar nossa juventude a ser missionária, com o projeto de pescar homens e mulheres para o Reino de Deus.

Por esse motivo iremos realizar o Pré-Dia Nacional da Juventude – Pré-DNJ em nossa Paróquia. Neste ano com o tema: Juventude e protagonismo feminino e lema: Jovens mulheres tecendo relações de vida que nos propõe um estudo sobre o papel da mulher na Igreja e na sociedade. “Queremos promover a superação de situações em que muitas mulheres não têm vida plena e apostar no potencial da mulher jovem de construir um mundo mais justo e fraterno.

Venha participar conosco deste momento , animação, reza, formação e protagonismo juvenil!

Programação:


08/10 (sábado)

- 20:00hs: Adoração ao Santíssimo


09/10 (domingo)

- 13:00hs: Seminário Jovem

- 18:00hs: Enceramento com Celebração Eucarística


Loca: Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem (Fundação)

Rocinha - Rio de Janeiro - RJ

Arquidiocese do Rio de Janeiro







Pré-DNJ em Belford Roxo - Diocese de Nova Iguaçu




Em tempos de muitas transformações sociais, já não estava na hora de lembrarmos muito bem de quem nós dá a vida, e essa vida sempre vem proveniente da força da mulher.

Então a PJMP do Regional Leste I
convida a todos para as suas atividades:

Pré-DNJ da PJMP em Belford Roxo - RJ

Grupo: Juventude Participa

Dia 08/10/2011

As 17 horas

Local: Paroquia de São Jorge - Nova Aurora - Belford Roxo
Diocese de Nova Iguaçu - RJ



terça-feira, 20 de setembro de 2011

Oração pela Igreja do Concílio Vaticano II


"Ó Deus, eu sonho com uma Igreja que procure e

experimente, criativamente sempre novos

caminhos em direção a pessoa humana para

conservar viva e jovem a Boa Nova.

Eu sonho com uma Igreja que seja aberta à causa

de Cristo e se interesse pela vida de todas as

pessoas e pela renovação do mundo segundo o

Espírito de Jesus.

Eu sonho com uma Igreja que fale uma linguagem

entendida por todos, também pelas crianças e

jovens na qual a juventude possa expressar-se

com espontaneidade; uma Igreja que abra espaço

para iniciativas co-responsáveis.

Eu sonho com uma Igreja que seja profética, diga

a verdade toda, tenha coragem de ser incômoda,

procure sem medo a felicidade das pessoas.

Eu sonho com uma Igreja, que tenha esperança,

que acredite no lado bom das pessoas e que,

num mundo de temores e desesperos, se apóie

firmemente na Providência de Deus.

Ó Deus ajudai-me a colaborar na construção de

uma tal Igreja.

Amém.

Pedro Arrupe, SJ

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Povo vai às ruas no Rio pedir liberdade religiosa


Cerca de 400 mil pessoas de diferentes religiões participaram da 4ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa. A manifestação ocorreu na praia de Copacabana, zona sul da cidade, a partir das 13 horas, sob o lema “Caminhando a gente se entende”.

A reportagem é de Antonio Carlos Ribeiro e publicada pela Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC), 19-09-2011.

O ato plurireligioso contou com a participação de fieis das mais diversas religiões presentes na capital fluminense - umbandistas, candomblecistas, muçulmanos, católicos, judeus, protestantes, kardecistas, adeptos do Santo Daime e hare krishnas - vestidos com a indumentária dos cultos e acompanhados por quatro caminhões de som entre os caminhantes.
Algumas religiões estavam representadas por sacerdotes – padres, pastores, diáconos, sheikes, babalorixás, pais e mães de santo e outros sacerdotes e sacerdotisas – além de leigos e leigas atuantes em celebrações e outras atividades. A música “Andá por fé”, do cantor e ex-ministro da cultura, Gilberto Gil, foi entoada diversas vezes.
Além das faixas destacando a presença dos diversos grupos religiosos, algumas traziam frases como “Perfeição não é fazer tudo certo. É haver equilíbrio em tudo!”, “Apenas o exercício da fraternidade nos ajuda a construir um mundo melhor” e “Toda religião é boa. Quem faz diferença, somos nós!” O pastor presbiteriano Marcos Amaral disse que se alguém sofrer discriminação de evangélicos deveria reagir: “Você não é um bom evangélico. Jesus não discriminou”!
O ato religioso começou com a lembrança, orações e cânticos por Baha’is presos no Irã. Uma representante dos servidores do Poder Judiciário insistiu no combate à intolerância que, segundo ela, é filha direta da ignorância. Rodrigo Neves, Secretário de do Estado do Rio de Janeiro, lembrou o avanço da população insistindo na liberdade, inclusive para os não-religiosos.
A manifestação transcorreu sem acidentes e nem confrontos de qualquer natureza.

Rodrigo Neves, secretário estadual de Direitos Humanos, mostrou-se surpreso com a diversidade de representantes de religiões presentes ao evento. “O Rio tem que ser exemplo de respeito e um lugar em que se encontre uma sociedade mais justa e democrática”, disse ao elogiar a caminhada.

sábado, 17 de setembro de 2011

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE NO RIO DE JANEIRO (A PARTIR DA JMJ DE MADRID)


JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE NO RIO DE JANEIRO (A PARTIR DA JMJ DE MADRID)

Reflexões piedosas e atrevidas para quem pensa sobre milhões de jovens reunidos por convocação da Igreja de Cristo. Não deixa de ser uma forma de sonhar...

Trata-se de uma reflexão “piedosa”:1) porque não é um estudo científico nem histórico nem teológico nem pedagógico das JMJ. 2) Se fosse histórico teria que apresentar p.ex. as motivações de João Paulo II, as assessorias pedagógicas, teológicas, pastorais e juvenis que teve para realizar a primeira e as outras, a fonte dos recursos econômicos para a realização e muitos outros aspectos. Um mega-evento supõe a participação de muitas “ciências” e “especialistas”. 3) Se fosse teológico evidente que iríamos saber quem fundamenta teologicamente a JMJ, bem como saberíamos quem não foi convidado. Quais, contudo, que foram ou não foram convidados? Claro que há “especialistas” que não são aceitos; claro que há “apoios”, que nem sempre são confessados; claro que há “objetivos” que nem sempre se dizem. 4) Se fosse pedagógico muitos aspectos poderiam ser analisados: preparação, importância do jovem no evento, acompanhamento, fomento (ou não) do empoderamento juvenil, dimensão social e libertadora etc. Pouco falaremos dessas coisas.

Hilário Dick

1. Não estive em Madri. Muitos, evidentemente, como eu, não podiam, não queriam ou não foram porque não foram convidados. A questão do “convite” é bem mais interessante do que se pensa. Aliás, os que foram (aqui do Brasil), como foram convidados? Sabemos que muita liderança boa, comprometida, merecedora de um gesto de reconhecimento por serviços prestados gratuitamente às igrejas (estou falando de jovens) teve que ver partir outros/as, escolhidos/as não se sabe por quem, e cultivar dentro de si não sei que sentimentos. Até mesmo as juventudes organizadas puderam escolher seus delegados? Poder-se-ia falar o mesmo de “assessores/as” regionais e nacionais de pastorais juvenis organizadas. Tinha gente com vontade de ir, olhar, reanimar-se, ver o certo e o errado, mas não foram convidados/as. Ver jovens reunidos sempre é uma festa.

2. Quero fazer minhas reflexões a partir de pequenas coisas da JMJ de Madrid, de 2011. Para falar de algo nem sempre precisamos ter “estado lá”. Trata-se de observar, de perceber o que acontece, o que se escreve e o que emerge em diferentes espaços. Faço imediatamente uma pergunta que me incomoda: para ajudar a “perceber” a realidade juvenil na dimensão religiosa, especialmente católica, quem dos estudiosos/as de juventude, do Brasil, foi convidado? Parece que a “juventudologia”, especialmente para algumas figuras da Igreja, é uma ciência infusa. Não se precisa estudar juventude. O amar não supõe estudo... Falo de “ciência infusa” porque o lugar da juventude na formação seminarística, nas Congregações Religiosas, em alguns Movimentos de Jovens ou que trabalham com jovens, parece ser algo inútil. Basta ser do clero para se entender de juventude; basta ser bispo para falar “ex cátedra” para a juventude. Cada vez é mais urgente o povo de Deus, no seu todo, aprender a falar sobre juventude. Se nas outras jornadas o número de bispos era baixo, desta vez, (provavelmente por Rio de Janeiro ser declarada como sede da próxima jornada), foram cerca de 60 bispos brasileiros. Não foram, provavelmente, aqueles que parecem ter que descobrir que a juventude existe, que a juventude quer ser Igreja e que poderia haver bem mais expressão juvenil nas igrejas. Esperamos que tenham ido, também, não aqueles que sempre encontram compromissos pastorais para não marcar presença em iniciativas juvenis (especialmente algumas) de sua diocese ou Regional.

João Paulo II, não há dúvida, por seu modo de ser conquistou a juventude. Deve-se perguntar, no entanto, quem o assessorou e o inspirou na maneira de realizar estas Jornadas ou Encontros. Falamos de “tema”, de “pedagogia”, de “marketing”, de escolha dos palestrantes, escolha dos cantos e tanta coisa... Por vezes são estas coisas que decidem um evento.

3. Foi com o carisma do Papa João Paulo II que as Jornadas Mundiais e os Encontros Continentais de Jovens tomaram grande impulso. Era pelos anos de 1984 e 1985. Mesmo que estas Jornadas e Encontros não tenham exercido grande influência nos encontros orgânicos da Pastoral Juvenil da América Latina, sempre foram importantes e não podem ser esquecidos. Realizaram-se, até 2010, 27 Jornadas Mundiais da Juventude (14 diocesanas, sem a presença do Papa) e 13 mundiais, com a presença do Papa: 10 de João Paulo II e 3 de Bento XVI). Seis destas Jornadas, com a presença do Papa, deram-se na Europa (Roma (2000), Santiago de Compostela (1989), Czestochowa (1991), Paris, Colônia (2005) e Madrid); dois na América do Norte (Denver, 1993 e Toronto 2002), um na América do Sul (Buenos Aires – 1987), um na Ásia (Manila 1993, com mais de 4 milhões de jovens participantes) e um na Austrália (Sidney). O Encontro Continental de Santiago (Chile) foi em 1998. É o Papa que indica os temas destas Jornadas.

4. As Jornadas Mundiais de Juventude são uma iniciativa da Igreja Católica, com sede em Roma. Uma iniciativa do Papa; não é uma atitude ecumênica. Evidente que jovens de outras religiões também estão e estiveram lá, mas a iniciativa é católica. A preocupação é com a evangelização cristã da juventude. A impressão que se tem é que se trata de uma apresentação majestosa, bombástica, suntuosa, massiva, da Igreja para a juventude. Não fica claro se é uma apresentação, uma busca da juventude para a Igreja. A impressão que se tem é que lá vai a juventude escolhida para mostrar ao mundo que os jovens são, ainda, da Igreja. Claro que é muito forte dizer que, pelo que se vê, a juventude é a massa de manobra da Igreja para conquistar jovens para ela. Claro que não é só isso. Os protagonistas, em todo o caso, não são os jovens porque os protagonistas são os atores principais. Quem está no palco são os adultos, especialmente o mundo clerical, com uniforme e tudo mais. São eles que falam. Os jovens são a platéia e, quando falam, é de forma muito controlada. Não estão na “direção”.

5. O discurso a comandar tudo, evidentemente, é Jesus Cristo. Contudo, na prática, quem toma conta do cenário é o Papa, o bispo de Roma, talvez com o carisma de João Paulo II, talvez com o peso teológico de Bento 16. Estaríamos muito errados se se falasse de “papismo”? Ou este papismo (inconsciente ou buscado) é construção dos Meios de Comunicação?

6. Impressiona a suntuosidade dos lugares centrais destes Encontros. O palco, pode-se dizer, é transformado em altar. Parecem as construções que os Meios de Comunicação constroem para os grandes artistas... Lá em cima os cardeais, bispos, mais abaixo o clero, mais longe as religiosas e, bem mais ao fundo, sempre animada, a juventude. Da palavra, o que sobra para os jovens são as migalhas, isto é, os cachorrinhos do Evangelho que estão aí para ouvir e não falar ou falar o que pode ser dito.

Haveria algum paradigma que comanda as JMJ? Os paradigmas de olhar e estudar a juventude podem ser resumidos em quatro: um segmento da sociedade que precisa de preparação; um segmento que, na sociedade, por razões as mais diversas, é um problema; um segmento que pode ser encarada como solução dos problemas da sociedade; um segmento cuja característica fundamental é a sua construção: a construção da autonomia, a descoberta do poder, o empoderamento. Por que a juventude, como protagonista, só apareceu nos tempos da Ação Católica, na década de 1930? Ao mesmo tempo em que em vários lugares do mundo as juventudes eram manipuladas por “ismos” que nem é preciso nomear. Não fica claro, nas JMJ, se se acredita que os jovens possam assumir mais responsabilidades (não meros cumprimentos de ordens) dentro do ser eclesial. Não fica claro, também, se se acredita na característica da juventude que é a construção da autonomia. Seria o outro paradigma... É este que se viu em Madrid? Por vários sintomas, o que se pode ver e concluir é que o paradigma que a Igreja deveria assumir - paradigma usado por Jesus Cristo nos Evangelhos - não está claro. Uma das razões é que se gosta, ainda, em muitas igrejas, mais de ovelhas submissas do que de cabritos monteses. Ou a JMJ de Madrid disse algo diferente?

7. As grandes avenidas do centro de Madrid, tomadas pelos “peregrinos”, isto é, pelos “jornadeiros” pareciam uma gigantesca discoteca light, com música e dança, alegria, animação, festa, mas sem álcool e – esperemos – sem “crack”... Os 27 telões retransmitiam imagens bonitas e esvoaçantes do Pontífice, acompanhadas pelo slogan da “festa da fé” e algo mais. “Molhem-se, cubram-se todos de água”, recomendavam outros alto-falantes. Havia operários com mangueiras que regavam os participantes e, espontaneamente, molhavam aqueles que assim o desejassem e os outros também. Realmente, era uma festa.

8. O Papa mostrou, no avião, sua preocupação com o desemprego juvenil (que chega a 45% na Espanha). Se falou isso do avião, falou-o em outro momento importante?Redes Cristianas, contrárias à pompa da visita, criticou o fato de que a hierarquia eclesiástica não abrisse consultas aos jovens para saber o que eles, realmente, querem na Espanha e no mundo. O que preocupa a juventude do Papa? Dez peregrinos espanhóis enumeraram, na quinta-feira, durante a espera, aqueles que consideravam os três principais problemas de sua idade. Os que mais se repetiam: a falta de valores e o relativismo. Apenas dois citaram o desemprego. E então? O perfil do peregrino era um jovem de 22 anos, universitário e com trabalho. Apenas 6%, dos que estavam lá, estavam desempregados. Esta “seleção” parece natural? Se os jovens do mundo representam mais de um hum bilhão de jovens, o que significam 2 milhões. Mas, é verdade, qual a instituição, no mundo, que é capaz de provocar um evento assim? Os dois milhões reunidos em Madrid poderiam ser os grupos de jovens, reunindo-se semanalmente, no Brasil...

9. Parece um fato que as palavras de João Paulo II aos jovens do mundo: No tengáis miedo. Abrid las puertas de par en par a Cristo, chegaram ao coração de milhões de jovens dos cinco continentes, vislumbrando no Papa um guia, um mestre, um amigo que os compreendia. O que significa, no entanto, abrir abrir as portas de par em par para Jesus Cristo? Aprendi com Jesus de Nazaré que ele pregava o “Reino” e o Reino, para os jovens da América Latina, é a Civilização do Amor. No pensamento de João Paulo II estes Encontros e Jornadas seriam para reunir-se com eles, falar-lhes e conhecer seus problemas, inquietudes e esperanças. Este, ao menos, o discurso que se ouve e que não deixa de ser um discurso ao mesmo tempo verdadeiro e enganoso. Verdadeiro porque os encontros aconteceram; enganoso porque a pedagogia dos eventos massivos não permitiu isso (e não se sabe se quiseram isso, de fato). Como seria bonito poder ver-se os desafios juvenis apresentados por eles e não por olhares clericais, por vezes moralizantes?

As JMJ já são um evento que mereceria uma análise mais profunda, mais científica, mais pastoral, mais pedagógica. Não bastam as apreciações laudatórias e fantásticas. É preciso que se penetre no subterrâneo destes eventos para ver os resultados, os rejeitados, os convidados de honra, isto é, para ver o valor e os vazios de uma “pastoral de eventos” e ver como uma “pastoral de processos” pode aprender algo destas manifestações massivas.

O que se vê é que as preocupações das JMJ se encontram em outros espaços... Que maravilha o Papa apresentar, nas JMJ, os grandes desafios que os jovens devem enfrentar e que vão muito além de uma visão umbilical e sacristíaca! Confiar a eles, os/as jovens, o futuro da humanidade, isto é, de eles serem, de fato, com a ajuda da Igreja, os construtores da civilização do amor, as sentinelas do amanhã, como os dois Papas gostam de dizer. É que João Paulo II era um encantado pela juventude, mas sabia muito bem que provocar demais poderia ter resultados inesperados talvez para a própria Igreja. Não se pode negar que João Paulo II (mais que Bento XVI) estava convencido de que a juventude tem o poder de revolucionar o mundo, de mudá-lo para faze-lo mais justo e humano, o que – para a sociedade dos adultos – seria um atrevimento.

10. Para não nos basearmos em coisas “vistas”, e analisarmos rapidamente o que foi a JMJ de Madrid, olhemos a homilia que Bento 16 fez no dia 21 de agosto de 2011 na Base /aérea de Quatro Ventos (Madrid). O que ele disse? Podemos destacar nove pontos:

  1. 1. “Meu coração enche-se de alegria” pensando no afeto com que Jesus olha para a juventude e deseja acompanhá-la no caminho. Desejamos corresponder a esta manifestação de predileção, atraídos pela figura de Cristo que queremos. Ele é a resposta a muitas de nossas inquietações pessoais e queremos conhecê-lo melhor.

O Papa está alegre. Fala de Jesus Cristo. Ele (Jesus) é a resposta de nossas inquietações, mas logo fica claro que as inquietações são pessoais. Parece falar para o jovem, e não para a juventude. Parece que os milhões não existem ou não são importantes para serem desafiados. Seria a atitude de Jesus com Pedro, ao qual se dirigiu pessoalmente, como o Papa insiste logo depois? Os jovens não só querem “conhecer” Jesus; eles querem vive-Lo e ser, como Ele, blasfemos e subversivos.

  1. 2. O Evangelho que se leu Mt 16, 13-20. Há duas formas diferentes de conhecer Cristo: pela exterioridade caracterizada. Considera-se Cristo como um personagem religioso junto aos que já são conhecidos. Depois, dirigindo-se pessoalmente aos discípulos, Jesus pergunta-lhes: «E vós, quem dizeis que Eu sou?». A fé vai mais longe que os simples dados empíricos ou históricos, e é capaz de apreender o mistério da pessoa de Cristo na sua profundidade.

Mais adiante o Papa diria: A resposta da juventude deve ser: Jesus, eu sei que Tu és o Filho de Deus que deste a tua vida por mim. Quero seguir-Te fielmente e deixar-me guiar pela tua palavra. Tu conheces-me e amas-me. Eu confio em Ti e coloco nas tuas mãos a minha vida inteira. Quero que sejas a força que me sustente, a alegria que nunca me abandone.

Veja-se a força bonita e apelativa da “interioridade”. Veja-se a força da atitude pessoal. Além disso, contudo, o jovem não poderia ser desafiado, para outras realidades, na sua vivência de fé, para que participasse de organizações e de iniciativas dentro e fora da Igreja? Certamente, mas o que parece assustar é a formação para a autonomia, o empoderamento, o protagonismo. No fundo, não se acredita na força da juventude; olha-se o jovem na sua individualidade e se teme o jovem que pensa e sabe teologia. Quer-se um jovem que não deixe de ser obediente, isto é, submisso e controlável.

A JMJ se deu numa época onde várias realidades poderiam servir de fonte de inspiração: a juventude do Oriente Médio, do Chile, da própria Espanha com mais de 46% de jovens desempregados, de todos os continentes. Jesus Cristo não desafiaria para estas diversas realidades? O que seriam para Ele, Jesus de Nazaré, as “águas mais profundas”? Não. É a dimensão individual que parece interessar, não a juventude com suas diversas problemáticas e diversos desafios a serem enfrentados. Teria sentido recordar, aqui, a ausência do “Reino de Deus” e da “Civilização do Amor”?

  1. 3. A fé, não é fruto do esforço do homem, da sua razão, mas é um dom de Deus: Tem a sua origem na iniciativa de Deus, que nos desvenda a sua intimidade e nos convida a participar da sua própria vida divina. A fé não se limita a proporcionar alguma informação sobre a identidade de Cristo, mas supõe uma relação pessoal com Ele, a adesão de toda a pessoa, com a sua inteligência, vontade e sentimentos, à manifestação que Deus faz de Si mesmo. Fé e seguimento de Cristo estão intimamente relacionados, e isso precisa ser amadurecido.

Importante o Papa recordar estes aspectos da fé. Além de ser um dom e uma conquista, a fé sem obras é morta. Não há seguimento de Jesus que não se traduza em prática. E se o Papa relacionasse fé e justiça? Fé e realidade social? Fé e situação do mundo? A juventude é o tempo do grande encontro dela com a exterioridade. Nesta “exterioridade” não se apresentam desafios?

4. A resposta da juventude deve ser: Jesus, eu sei que Tu és o Filho de Deus que deste a tua vida por mim. Quero seguir-Te fielmente e deixar-me guiar pela tua palavra. Tu conheces-me e amas-me. Eu confio em Ti e coloco nas tuas mãos a minha vida inteira. Quero que sejas a força que me sustente, a alegria que nunca me abandone.

Veja-se o discurso... Terá mais sentido a leitura que fazemos desse “personalismo” do Papa se nos dermos conta que ele, o Papa, não parece estar muito preocupado com oReino que Jesus pregava... Afinal, Bento 16 prega a Igreja ou o Reino? Se falasse do Reino, provavelmente teria que ter falado das realidades juvenis dos diversos continentes e que vão além de uma fé individual. O que se vê, por isso, é que a realidade social ou as realidades sociais da juventude são esquecidas. Compreendemos, assim, porque a palavra Reino não aparece na homilia vista (a mais importante) nem nas outras homilias ou falas. O Reino é uma realidade que não só não é usada pelo Papa quando fala aos jovens; no discurso inaugural que fez em Aparecida, na Conferência Episcopal Latino-Americana (2007), sucedeu o mesmo. Tratar-se-ia de um simples esquecimento ou de uma postura ideológica? É que falando do Reino para os bispos ou para os jovens, haveria conseqüências que parecem ser deixadas de lado porque a realidade mais concreta, de repente, deveria ser enfrentada.

5. Jesus diz a Pedro que ele é a Pedra da Igreja. Jesus constrói a Igreja sobre a rocha da fé de Pedro, que confessa a divindade de Cristo. Ela não é uma simples instituição humana, como outra qualquer, mas está intimamente unida a Deus. Não se pode separar Cristo da Igreja, tal como não se pode separar a cabeça do corpo (cf. 1 Cor 12, 12).

Evidente a forma de falar do papado, do Papa como “Pedra da Igreja”. Claro que a Igreja caminha com Cristo e é necessário estar na comunhão da Igreja. “Amai a Igreja”, dirá ele mais adiante. É falta de respeito muito grande perguntar se o pregado seguimento de Cristo é em vista da Igreja ou em vista da construção do Reino? O importante é ver a juventude toda, de joelhos, adorando Cristo presente na Eucaristia ou arregaçando as mangas, com a cruz na mão, enfrentando as questões que impedem a felicidade dos/as jovens e da sociedade?

6. Fortalecei, queridos jovens, esta fé que nos tem sido transmitida desde os apóstolos, a colocar Cristo, Filho de Deus, no centro da vossa vida. É preciso seguir Jesus na fé é caminhar com Ele na comunhão da Igreja. Quem cede à tentação de seguir «por conta sua» ou de viver a fé segundo a mentalidade individualista, corre o risco de nunca encontrar Jesus Cristo, ou de acabar seguindo uma imagem falsa d’Ele.

O assunto é a fé. A fé transmitida que é preciso viver, caminhando em comunhão com a Igreja. Mas o Papa diz mais:

7. Ter fé é apoiar-se na fé dos teus irmãos, e fazer com que a tua fé sirva também de apoio para a fé de outros. Queridos amigos, amai a Igreja, que vos gerou na fé, que vos ajudou a conhecer melhor Cristo, que vos fez descobrir a beleza do Seu amor. Significa feliz inserção nas paróquias, comunidades e movimentos, participar da Eucaristia, confessar-se e cultivar a oração e a meditação da Palavra de Deus.

Novamente o discurso do amor à Igreja porque ela vos gerou para a fé, mas uma Igreja que ainda tem medo de ir “além dela”. Poderia acrescentar que a fé para a qual ela gerou é para o mundo, o Reino, ou é para ele poder mostrar-se que os jovens estão com ela? Pode-se dizer que, infelizmente, a Igreja (nas JMJ) ainda visa demais a si mesma. Procura-se a vaidade própria e não a felicidade das juventudes.

8. Disso nascerá o impulso a dar testemunho da fé nos mais diversos ambientes, incluindo nos lugares onde prevalece a rejeição ou a indiferença. É impossível encontrar Cristo, e não O dar a conhecer aos outros. Não guardeis Cristo para vós mesmos. Comunicai aos outros a alegria da vossa fé. O mundo necessita do testemunho da vossa fé. A vossa presença aqui é uma prova maravilhosa da fecundidade do mandato de Cristo à Igreja: «Ide pelo mundo inteiro, proclamai o Evangelho a toda a criatura» (Mc 16, 15). Sede discípulos e missionários de Cristo noutras terras e países onde há multidões de jovens que aspiram a coisas maiores.

Bonito o aspecto missionário evocado para a juventude e o que o Papa diz é muito bonito. Ser jovem é ser missionário, sair de si. Além de estimular as variedades de “saídas”, os voluntariados, às doações que já são reais, será que ele diria, também, que era necessário ir além da sacristia, enfrentando as realidades da juventude no seu dia-a-dia, construindo o Reino em toda a realidade? Se a JMJ é algo dos cristãos, por que não estimular o diálogo e o encontro com outras realidades como as da Índia, da China, do Afganistão, os países mais populosos em juventude?

9. Rezo por vós, encomendo-vos à Virgem Maria, e peço-vos que rezeis pelo Papa, para que, como Sucessor de Pedro, possa continuar confirmando na fé os seus irmãos. Que todos na Igreja, cresçamos em santidade de vida e demos testemunho eficaz de que Jesus Cristo é verdadeiramente o Filho de Deus, o Salvador de todos os homens, fonte viva da esperança.

A finalidade dessa reflexão é ajudar no melhor encaminhamento da JMJ no Rio de Janeiro. Todos esperam que seja um evento bonito, sem manipulação nem teológica nem pedagógica. Todos sonhamos com um evento transparente, evangélico, que ajude a juventude a ser mais feliz.

O convite para as intenções das orações dos jovens vão para onde? Para a Virgem e para o Papa e todos nós. Nenhuma oração para a transformação do mundo, do melhor atendimento aos anseios da juventude, às fomes que existem na juventude etc.

Claro que o discurso é do Papa e poderia te-lo feito em outras palavras. Mas o discurso não deixa de sintomático: intra-eclesial, pessoal, sem a perspectiva do Reino... Por que a juventude não poderia ser convocada a não só pertencer à Igreja, mas serem construtores dela? Construtores dela e do Reino do qual a Igreja é sacramento? Por que não apelar para que a juventude do mundo se una, se organize, discuta seus problemas e apresente soluções juvenis, aproveitando o momento das Jornadas?

11. Não entendo de mega-eventos, mas nos anos que precedem a JMJ precisam ser pensadas algumas coisas. Não falo, por exemplo, das finanças, para as quais, evidentemente, deverá ter gente competente e que saiba considerar o público ao qual a JMJ se dedica. Há questões de fundo: a questão central é na forma como se olha o próprio mundo juvenil e isso implica pedagogias e teologias.

a) apesar de ser uma iniciativa da Igreja de Roma, colaborar para que o jovem seja sujeito do evento. Num eventos de milhões, é evidente que sempre haverá movimentações. Movimentações para que, no entanto? O que havia para ver, ouvir, talvez participar? Shows de jovens, apresentações, encenações, algo de jovens, não de eclesiásticos. Complicado? Arriscado? Melhor arriscar do que manipular. A manipulação é descarada demais. A Igreja pode aparecer através da juventude, e não deixar que o clericalismo comande.

b) fazer uma preparação tal nos países e continentes que se discutam, realmente, a situação das juventudes em suas realidades mais diversas e que estas realidades tenham chance de serem visibilizadas. Quantas realidades bonitas e desafiadoras poderiam aparecer... No caso de Madrid, onde estava a realidade juvenil espanhola? Onde a realidade juvenil chilena? Onde a realidade da juventude do Oriente Médio? A preparação de espaços adequados claro que seria possível. Um mesmo espaço poderia servir de apresentação de diversas realidades em tempos diferentes. Há tanto jovem fazendo experiências missionárias... Por que isso não poderia ser socializado, debatido? Por que não ser uma forma de o jovem ser protagonista, também, nestas iniciativas?

c) precisa ser um momento de festa e de retiro. Os dois aspectos são importantes porque onde há juventude há festa. Mas isso não poderia ser vivenciado em momentos especiais? Com iniciativas especiais? Com atitudes especiais? Assim como é possível uma Eucaristia “campal”, porque não um retiro campal? Os espaços “menores” não poderiam servir para isso?

d) que fiquem claro os critérios de escolha dos delegados. Parece algo muito particular, mas a escolha dos “delegados” deveria ser feita com critérios transparentes. Que a Jornada seja, de alguma forma, “representativa” em termos de preocupações, realidades, organizações juvenis. Que os “espaços” já falassem por si: aqui é a realidade juvenil; aqui são os grandes desafios dos jovens; aqui são as experiências de organização; aqui quer-se discutir a força da juventude no mundo; etc.

e) que estejam envolvidas, também, pessoas que pensam realidade juvenil e evangelização juvenil. O estudo da juventude também é uma preocupação dos jovens, com sua história, cultura, apresentações científicas. Isso pode ser feito por jovens e por pessoas que estudam juventude. Por que não poderiam servir “teses”, apresentações, até encenações...

São, enfim, idéias que podem ser sempre melhores... Importante que se fale disso. Uma Igreja se torna mais adulta quando houver mais obediência e menos submissão. Que tal você continuar esta reflexão iniciante? É que a JMJ do Rio de Janeiro deve ser sonhada como um avanço em vista da juventude e em vista daquilo que acreditamos como Igreja. Caso contrário, não será uma graça para ninguém.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Dê Proposta de Tema para o DNO 2012


Olá Juventude do Meio Popular,

Viemos aqui dar-lhes uma tarefa pós-Escola Nacional de Formação José Adelar Nunes, como todos sabem a nossa amada Pastoral deliberou em sua 13ª Assembléia Nacional a realização de um momento forte de celebrar o mistério do Deus encarnado na história de seu povo e a vivência da espiritualidade do Cristo Jovem libertador presente na vida d@s jovens empobrecidos do Meio Popular.
Esse momento é Dia Nacional de Oração pela Juventude do Meio Popular, celebramos em todos os anos no dia 09 de julho, data que marca o nascimento de nossa Pastoral, portanto, este será um grande momento de unidade nacional de nossa Pastoral e vivência da mística libertadora e profética cultivada ao longo destes anos de história.
A partir desse relato, propomos que todos possam encaminhar propostas de TEMA e LEMA para o nosso proximo Dia Nacional de Oração (DNO), sabemos que é uma data muito importante e especial para a nossa Pastoral.
O Tema do DNO de 2010 foi, Viver é não calar, temos que denunciar;
O Tema do DNO de 2011 foi, “Fé e Vida, nossa mística popular” e Lema foi, “O fruto da Justiça será a paz. O trabalho da justiça resultará em tranquilidade e segurança permanentes.”
Pedimos que seja encaminhado todas as propostas até o dia 12/10/2011, para o email:pjmpcomunica@gmail.com
O que move a Pastoral da Juventude do Meio Popular é a utopia da concretude do Reino no cotidiano das comunidades de fé, no meio dos pobres - lugar onde Deus se Revela.

Comissão na Nacional da Pastoral da Juventude do Meio Popular - CNPJMP
Equipe de Comunicação

Grito dos Excluídos - Aparecida - SP



Há 17 anos a Semana da Pátria é dedicada, no Brasil, à manifestação popular conhecida como Grito dos Excluídos. Ele é promovido pelo Setor de Pastoral Social da CNBB, Comissão Pastoral da Terra, Cáritas, Pastoral da Juventude do Meio Popular, Ibrades e outros movimentos e instituições.

O lema do 17o Grito foi "Pela vida grita a Terra... Por direitos, todos nós!” Trata-se de associar a preservação ambiental do planeta aos direitos do povo brasileiro.

A PJMP do Rio de Janeiro foi em Romaria junto com a Diocese de Nova Iguaçu - RJ para o Santuario Nacional de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, na Cidade de Aparecida do Norte no estado de São Paulo.

Foi pautado pela PJMP a Campanha Nacional Contra a Violência e o Extermino de Jovens, em que todas as Pastorais da Juventude estão encampano. Falamos sobre o novo código Florestal em que somos contra.

Foi um momento unico para a PJMP do Rio de Janeiro.


2ª ETAPA DA ESCOLA NACIONAL DE FORMAÇÃO DA PJMP



2ª ETAPA DA ESCOLA NACIONAL DE FORMAÇÃO DA PJMP

“E vamos chegando de longe e de perto,dos bairros e dos centros,

das cidades, dos campos. Como pedras vivas!”

(Como Pedras Vivas - Frei Alberto e Gustavo Vila Verde)

No 25 de julho, teve inicio, na cidade de Recife - terra mãe da PJMP, mais uma etapa da Escola Nacional de Formação José Adelar Nunes, segunda etapa de um grande projeto e audaz da PJMP em vista da boa formação da juventude, principalmente da Juventude do Meio Popular.

Como homenagem a um grande militante e amigo que a PJMP teve, a Escola Nacional de Formação carrega o nome José Adelar Nunes, uma pessoa que sempre dedicou uma grande parcela de sua vida a PJMP e que sonhou durante muito tempo com a realização deste projeto. A Escola objetiva promover a formação integral e sistemática de lideranças juvenis, a fim de capacitá-las para articular e construir a PJMP, preparar para a intervenção em suas comunidades, implementando ações que visem uma ação evangelizadora e sócio-transformadora.

Jovens de diversos estados do Brasil permaneceram reunidos durante uma semana aprofundando temas como Juventude e Organização Popular, Economia Popular Solidária, Mística Fundante da PJMP e participarão de oficinas culturais.

É com toda alegria do frevo, dança característica desta terra maravilhosa, que os jovens do meio popular se confraternizam, aprendem e educam, trocando experiências e partilhando a vida.

Que com a força de todos aqueles e aquelas que, ao longo da caminhada, fizeram e fazem acontecer a PJMP, tiveram uma semana abençoada e de muita dedicação.

Na certeza de que o processo de formação é contínuo inspiremo-nos nas palavras de nosso profeta Dom Hélder Câmara: "É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminhada certa. Mas a graça das graças é não desistir nunca."


Equipe de Comunicação - CNPJMP

Dia Nacional de Oração (DNO) - 2011 - PJMP - RJ.




O Dia Nacional de Oração (DNO) pela Juventude do Meio Popular foi celebrada no dia 09 de Julho de 2011, na antiga matriz de Nossa Senhora da Conceição - Queimados (igreja da Praça), com o tema: Fé e Vida, Nossa Mística Popular e com Tema: "O Fruto da Justiça será a Paz, O trabalho da Justiça resultará em tranquilidade e segurança permanentes". Com a presença das Dioceses de Nova Iguaçu, Duque de Caxias, Volta Redonda e Valença.

O DNO nasceu a partir da necessidade de proporcionar aos jovens da PJMP, um momento forte de celebrar o mistério do Deus encarnado na história de seu povo e a vivência da espiritualidade do Cristo Jovem libertador presente na vida dos/as jovens empobrecidos do Meio Popular. O que move a Pastoral da Juventude do Meio Popular é a utopia da concretude do Reino no cotidiano das comunidades de fé, no meio dos pobres - lugar onde Deus se Revela.

A realização deste Dia Nacional de Oração pela Juventude do Meio Popular, no dia 09 de julho, data que marca o nascimento desta pastoral, portanto,foi um grande momento de unidade nacional de nossa Pastoral e vivência da mística libertadora e profética cultivada ao longo dos 33 anos de história desta pastoral juvenil. Foi um grande momento de celebrar a vida e os sonhos da juventude do meio popular que clama por justiça.

Contatos:

Guilherme Monteiro Cerqueira
Coordenação Nacional da PJMP - CNPJMP
Tel: 7807-9940

Ronaldo Castro
Pela Assessoria Leiga da PJMP - RJ.
Telefone: 7807-0860 ou 9719-6238

Dia Nacional de Oração



Dia Nacional de Oração - PJMP - Rio de Janeiro

Realizado o Seminário Nacional de Militantes da PJMP!




A cidade de Salvador se pintou com as muitas cores da Pastoral da Juventude do Meio Popular e acolheu os militantes vindos de várias partes do país que participanram do Seminário Nacional da PJMP.

O encontro aconteceu na Casa Betânia, que fica no bairro de Itapoã. Aproximadamente 70 militantes de vários estados do país estiveram reunidos para discutir o "Plano Estratégico da PJMP para uma Ação Transformadora na Sociedade".

Sob a assessoria da Comissão Nacional de Assessores e de Mauro Kano, do CEPIS, o encontro que começou nesta sexta-feira (20/05) e se encerrou no domingo (22/05) após o almoço.

O Seminário tem como objetivo geral "Oferecer elementos para uma análise crítica da realidade social, política e econômica do país hoje, dando enfoque a realidade da juventude do Meio Popular a partir dos Estados aonde a PJMP vem atuando, identificar os principais desafios postos atualmente para as lutas sociais, para os movimentos juvenis e para a ação pastoral a partir da juventude empobrecida, direcionando para a construção de um projeto em longo prazo, de ruptura com o sistema capitalista que tanto nos explora e nos oprime".

Que o Cristo Libertador esteja conosco em todos os momentos de nosso Seminário, tornando ele profético e de extrema importância para a continuidade de nossa caminhada a serviço da juventude do meio popular, em nossos grupos de bases e fora deles também!

Amém, axé, awerê, aleluia.

CNPJMP

Equipe de Comunicação

NOTA DE PESAR - Pastoral da Juventude do Meio Popular - PJMP do Estado do Rio de Janeiro.



NOTA DE PESAR

Pastoral da Juventude do Meio Popular - PJMP do Estado do Rio de Janeiro.

A Pastoral da Juventude do Meio Popular - PJMP do Estado do Rio de Janeiro e de todo o Brasil, vem a público externar a sua profunda tristeza e pesar pelo assassinato brutal de 12 jovens, em 07/04/2011, na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na zona oeste, da capital fluminense.

Expressar tristeza e perplexidade pela tragédia que vitimou os jovens, ceifando delas a vida, em seu dom maior, que é a educação. Essa tragédia é sem precedentes em nossa história, traz à tona o necessário debate sobre a violência na juventude e o acesso e a posse de armas e munições em nosso país, um dos fatores desse massacre. A sociedade civil precisa se lançar em campanha como fazem as Pastorais de Juventude no Brasil, na Campanha Nacional Contra a Violência e o Extermínio de Jovens.

Juventude essa que sofre com falta de políticas públicas voltadas para a área da psicopedagogia e saúde, onde falta o acompanhamento social, para percebermos quando a doença sobrepõe a área educacional. Se houvesse essa ferramenta, poderíamos evitar muitas mortes.

A Pastoral da Juventude do Meio Popular manifesta-se contra a Violência e o Extermínio da Juventude. Somos contra qualquer tipo de ação que extingue a vida, que inferiorize o ser humano, que humilhe, exclua e cause sofrimento. Somos a favor da VIDA, da transformação social, do Respeito mútuo, da Liberdade, da Justiça, da Igualdade e do Amor.

A PJMP associa-se à dor de toda a população fluminense nesse momento e presta suas condolências e solidariedade aos familiares e amigos.

VAMOS JUNT@S LUTAR CONTRA A VIOLÊNCIA

E O EXTERMÍNIO DE CRIANÇA E JOVENS!!!

PASTORAL DA JUVENTUDE DO MEIO POPULAR

sábado, 3 de setembro de 2011

PJMP


Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More